Só Barroso - Automóveis de qualidade

Atenção. Primeiro radar automático instalado na A5

O primeiro dos 30 radares do Sistema Nacional de Controlo de Velocidade (SINCRO) entra esta quarta-feira em funcionamento e vai ser instalado na autoestrada 5, que liga Lisboa a Cascais.

06 julho 2016

O primeiro dos 30 radares do Sistema Nacional de Controlo de Velocidade (SINCRO) entra esta quarta-feira em funcionamento e vai ser instalado na autoestrada 5, que liga Lisboa a Cascais.

O SINCRO é um sistema para deteção automática da infração de excesso de velocidade, sendo composto por uma rede de locais de controlo de velocidade criteriosamente selecionados, segundo o Ministério da Administração Interna (MAI).

Os radares SINCRO funcionam sem a intervenção humana. Por isso, quem for detetado em excesso de velocidade por um destes aparelhos não terá hipótese: vai mesmo receber a multa.

Este sistema, que estará a funcionar em pleno em janeiro de 2017, vai contar com 30 radares móveis instalados em 50 locais considerados “extremamente críticos”.

Numa entrevista recente à agência Lusa, o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, disse que os 30 radares de controlo de velocidade não vão ser fixos, rodando, num sistema rotativo, nas 50 cabines, sendo a sua instalação aleatória.
De acordo com o MAI, a comunicação da informação dos radares é efetuada através da aplicação Sistema de Gestão de Eventos de Trânsito (SIGET), que fará o interface com o Sistema de Contraordenações de Trânsito (SCoT), para a emissão das notificações aos condutores.

Segundo Jorge Gomes, à Rádio Renascença, a ideia é que “haja, também, da parte do condutor, alguma expectativa em saber se vai ser fotografado ou não”.

“Quando há uma infração, estes radares comunicam automaticamente para a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, para o sistema SINCRO, que emite de imediato o auto da contraordenação, com respetiva fotografia da viatura e da matrícula e com o certificado de qualidade do radar”, explica Jorge Gomes à RR.

A instalação da rede nacional de radares tem um custo de 3,19 milhões de euros, segundo a verba aprovada em fevereiro em Conselho de Ministros. 

Veja aqui onde vão estar os 30 radares rotativos.

Fonte: AP