Só Barroso - Automóveis de qualidade

Limite nas autoestradas sobe para 150km/h mas só para carros com ESP

EDITADO: Tal como muitos dos nossos leitores rapidamente perceberam na nossa página do Facebook, esta notícia tratava-se de uma brincadeira relacionada com o dia 1 de abril, com a Só Barroso a juntar-se às diversas marcas e entidades que decidiram criar no dia de hoje elaboradas histórias de inventos e acontecimentos que não tiveram lugar. Em certas ocasiões a tradição ainda impera, e a tradição, neste dia, passa por fabricar uma história credível, mas rapidamente percetível como uma brincadeira. Apesar de tudo, talvez esta 'peça' sirva para fazer retornar para discussão em praça pública o tema dos limites de velocidade que, nos tempos que correm e com os automóveis altamente evoluídos começam a parecer desajustados. Em baixo pode ler a história original.

01 abril 2016

As autoridades rodoviárias nacionais preparam uma reformulação elaborada do Código da Estrada, com uma das principais alterações a ser o aumento do limite máximo de velocidade nas autoestradas para os 150 km/h. Contudo, a exemplo do que já sucedeu com a restrição da entrada de veículos com alguma idade nalguns pontos da cidade de Lisboa, também esta medida não será válida para todos os automóveis.

A Automonitor sabe que o aumento de velocidade máxima dos atuais 120 km/h para os 150 km/h nas autoestradas apenas será válido para os veículos com Controlo Eletrónico de Estabilidade (ESP), abrangendo, na prática, todos os automóveis lançados no mercado desde 1 de novembro de 2014.

Introduzido pela primeira vez num modelo em série em 1995, o ESP é considerado como um dos grandes avanços em termos de segurança no que à indústria automóvel diz respeito, a par do cinto de segurança e do airbag, pelo que a opção dos legisladores Portugueses passa pela garantia de que os níveis de segurança se mantêm mesmo a velocidades mais elevadas. Aliás, desde 1 de novembro que aquele sistema de segurança se tornou obrigatório em todos os veículos de passageiros e ligeiros comerciais até às 3.5 toneladas, sendo que um ano depois se alargou a todos os outros tipos de veículos.

O aumento de velocidade máxima em autoestrada é válido para os automóveis de passageiros, embora não se saiba ainda qual será o limite imposto para os restantes veículos automóveis, como os veículos de transportes, sendo possível que para esses o limite seja aumentado para os 120 km/h. Fonte contactada pela Automonitor assegura que, com esta decisão, “procura-se tabelar a velocidade máxima de uma forma alternativa e mais realista, ou seja, adequando-a a uma velocidade que se sabe que muitos automobilistas já alcançam no seu dia-a-dia”.

A estabilidade e robustez dos automóveis atuais acabaram por ditar, também, a tomada desta decisão, em contraponto com as regras anteriores já desajustadas à realidade atual. Ainda assim, garantiu essa mesma fonte, o objetivo de apenas permitir que os modelos com ESP possam circular àquela velocidade é uma “imposição de segurança fundamental, uma vez que esses modelos são mais seguros em caso de qualquer eventualidade”.

Irão decorrer, ainda, diversas reuniões com as autoridades rodoviárias de forma a estabelecer um plano de ação para a fiscalização rodoviária e formas de deteção de automóveis com ESP e quais os que não têm aquele sistema e como proceder à emissão de coimas por contraordenações de excesso de velocidade no caso destes últimos.

O elemento governativo desvalorizou ainda eventuais críticas que possam surgir relacionadas com esta medida, quer pelo lado ecológico, quer pelo lado de uma eventual discriminação entre proprietários de veículos, enfatizando que "a segurança tem de estar em primeiro lugar".

Esta será uma das principais revisões ao Código da Estrada, não se sabendo ainda quando será posta em vigor ou quais as restantes, sabendo-se apenas que serão comunicadas "no momento mais indicado".

Fonte: AM