Só Barroso - Automóveis de qualidade

Portugal é o segundo melhor país europeu nas emissões de CO2

Os dados avançados pela Agência Europeia do Ambiente informam que os carros novos comprados em Portugal, em 2015, tiveram uma média de emissões de 105,7 gramas de dióxido de carbono por quilómetro.

20 abril 2016

Portugal é o segundo melhor país europeu nas emissões médias de dióxido de carbono por quilómetro nos automóveis novos, vendidos no ano passado, subindo um lugar relativamente a 2014, segundo a Agência Europeia do Ambiente.

Um relatório da entidade europeia (EEA na sigla em inglês), divulgado esta quinta-feira, refere que foram comprados 178.686 novos carros de passageiros em Portugal, em 2015, com uma média de emissões de 105,7 gramas de dióxido de carbono (CO2) por quilómetro.

Daquele total, 123.100 foram carros a gasóleo, ou seja, 69% do total, 53.700 a gasolina e 672 eram elétricos, número que ultrapassou os 641 veículos a gás.

Somente a Holanda apresentou melhor resultado que Portugal, com uma média de emissões de 101,2 gramas de CO2.

No conjunto da União Europeia, os automóveis novos comprados no ano passado emitem uma média de 119,6 gramas de CO2 por quilómetro, 8% abaixo da meta europeia fixada para 2015. O objetivo marcado para 2021 é chegar aos 95 gramas.

A média de emissões dos carros comprados na UE continuou a descer em 2015 e foi 3% menos que aquela registada um ano antes, segundo os dados reunidos pela EEA, que apontam para uma subida de 9% do número de automóveis novos registados relativamente a 2014, totalizando 13,7 milhões, comportamento seguido pela maior parte dos Estados membros, com exceção de Luxemburgo e Eslovénia.

Os automóveis a gasóleo são os mais vendidos na Europa, com mais de metade do total de veículos, principalmente na Irlanda e Luxemburgo (71%), ficando Portugal em terceiro lugar.

As vendas de carros híbridos e elétricos continuam a aumentar, com França, Alemanha e Reino Unido a liderarem nos veículos elétricos, área em que se registou um aumento de 50% relativamente a 2014.

Fonte: Observador