Só Barroso - Automóveis de qualidade

Portugal-França. Em matéria de carros, também ganhamos

Não é só no futebol que vencemos. No jogo das garagens, Portugal também é campeão. Os "tugas" são os mais rápidos dos 0 aos 100 km/h. Tanto mais que há um jogador francês que guia… um "mata-velhinhos".

11 julho 2016

Portugal bateu a França: o título de campeões da Europa ninguém nos tira. Mas não é só dentro das quatro linhas que somos vencedores. Se o encontro entre Portugal e França se decidisse num frente-a-frente envolvendo cavalos, cilindradas, 0 a 100 km/h, velocidade máxima e acabamentos em couro, então, a conversa seria a mesma. Em matéria de garagens, a vitória é esmagadora. E também é nossa. Lá fora, a francesa “Auto Plus” foi a primeira a reconhecê-lo. Confrontou os “argumentos” de Antoine Griezmann, o avançado do Atlético de Madrid ao serviço de Les Blues, com os de Ronaldo e concluiu que o português não tem uma garagem, mas sim “uma concessão”.

Franceses andam bem montados, mas…

Como demonstração absoluta de “fairplay”, deixemos que sejam os gauleses a dar o pontapé de saída neste jogo dos automóveis. E nada melhor do que iniciarmos a nossa espreitadela pelas garagens dos atletas por Antoine Griezmann, que depois de ter perdido a Champions para o Real Madrid de Ronaldo faz agora parca figura face ao português. No que aos carros diz respeito, claro. Griezmann tem apenas um Maserati Gran Turismo e um Smart Fortwo. Paul Pogba, outra das esperanças francesas e jogador do Juventus, só possui veículos do Grupo Fiat Chrysler Automobiles, os patrocinadores do clube italiano. A saber, um Jeep Grand Cherokee e um Maserati Gran Turismo.

Outra das estrelas francesas é Patrice Evra, também ele ao serviço do Juventus. Para adoçar a boca aos apaixonados das quatro rodas, Evra avança com um Audi R8, um Bentley Continental GT e um Chevrolet Camaro. E, como não podia deixar de ser – “sponsor oblige” –, um Jeep Grand Cherokee. Já Samuel Umtiti, o jovem que deixou o Lyon a caminho do Barcelona, também vai de Maserati Gran Turismo, enquanto Biaise Matuidi se faz transportar num Bentley Continental GT, em alternativa aos jipes Range Rover ou Mercedes ML que também possui. Hugo Lloris, o guarda-redes que todos os portugueses querem bater este domingo e que habitualmente defende as redes do Tottenham, desloca-se no seu Mercedes CLS, substancialmente mais discreto do que o Lamborghini Aventador de Dimitri Payet que, quando não defende as cores de França, luta pelo West Ham.

E, basicamente, em termos de “bombas” é tudo. É que depois dos craques mais bem montados, vêm jogadores como Olivier Giroud, temido avançado que habitualmente marca pelo Arsenal e que se bem que tenha em casa um Mercedes C63 AMG, na realidade anda de DS3, o patrocinador da equipa inglesa. Também N’Gola Kanté se satisfaz com veículos modestos, no caso um Mini Cooper S, embora o jogador do Leicester esteja em vias de receber um Mercedes Classe B eléctrico, como prémio do empresário tailandês, dono do clube que é o actual campeão britânico.

Há, porém, um caso invulgar – escrever “estranhíssimo” deitaria por terra o “fairplay” português – na selecção francesa: um jovem avançado, que tem necessariamente de ser rápido no drible e veloz na corrida, faz-se deslocar no modelo mais surpreendente da selecção de França. Nada de Ferrari ou Lamborghini. E muito menos de Rolls-Royce ou de Bentley. Anthony Martial, de 20 anos, formado no Mónaco e que agora assinou pelo Manchester United de José Mourinho, assume o volante de um (esqueça o “espectacular” ou o “fantástico”) “mata-velhos”. Um microcarro, também conhecido como “papa-reformas”. Isso mesmo. Martial, que ontem substituiu Sissoko aos 110 minutos de jogo, está há dois anos para tirar a carta de condução e ainda não conseguiu superar aquela prova difícil que é o exame do código, tem de continuar a locomover-se num modelo que não careça do “permis”. Agora imaginem o espanto dos fãs, quando estão à espera de ver a equipa chegar de manhã a Old Trafford para treinar e, no meio de tantos Ferrari, Bugatti e Lamborghini, aparece Martial num “mata-velhos” de 10 mil euros. E logo ele, por quem o Manchester pagou 80 milhões de euros e a quem o patrocinador do clube ofereceu um Chevrolet Corvette. Para quando tiver carta.

Fonte: Observador