Só Barroso - Automóveis de qualidade

Regulador faz "ranking" dos postos de combustíveis

A Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis começa a avaliar a qualidade do serviço nos postos de abastecimento. Vai ser possível conhecer as bombas com menos higiene e que têm, ou não, luvas e toalhetes de limpeza para os clientes.

18 janeiro 2016

Entra esta segunda-feira em vigor o novo regulamento que define os critérios de avaliação da qualidade do serviço prestado pelos postos de combustível que vão passar a ter uma nota de 0 a 100 atribuída pelo regulador do setor.

A Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC) diz que as auditorias começarão a ser feitas a partir de hoje, segunda-feira, mas só será possível visitar quatro postos de combustível por dia, pelo que o primeiro ranking será divulgado dentro de 2 ou 3 meses, e não terá, tão cedo, todos os postos do país.

A avaliação vai ter em conta dezenas de critérios como a segurança, mas também o número de reclamações (tratadas e não tratadas), a existência de luvas e toalhetes de limpeza para os clientes, os resíduos de combustível no alcatrão, se as mangueiras têm proteção anti-salpicos e se em caso de chuva ou vento o condutor fica bem ou mal protegido enquanto abastece.

No final da avaliação e conforme os pontos amealhados, os postos de combustível vão receber notas de Muito Bom, Bom, Suficiente ou Insuficiente e todos os pontos da avaliação ficarão disponíveis na internet.

O presidente da ENMC, Paulo Carmona, explica que os consumidores poderão depois verificar na internet e numa aplicação criada para telemóvel a qualidade média do posto, mas também as falhas e pontos fortes, além dos serviços disponíveis. Outros pontos avaliados serão ainda a qualidade da gasolina e do gasóleo vendido e se as mangueiras disponibilizam as quantidades indicadas nos contadores.

Para avaliar todos os postos do país, a ENMC espera demorar perto de dois anos e meio. Mas a meio de março já deverá estar disponível um primeiro ranking com cerca de meia centena de bombas.

Fonte: TSF